Junta de Freguesia do Guardão

Freguesia do Guardão

Freguesia do concelho de Tondela e do distrito de Viseu, possui uma área de 18.700 km2, tendo como freguesias limítrofes Barreiro de Besteiros, Castelões, Mosteirinho, São João do Monte e Silvares, pertencentes ao mesmo concelho, Varzielas, do concelho de Oliveira de Frades e Alcofra, do concelho de Vouzela.


Enquadrada pela Serra do Caramulo, dista cerca de 20 km da sede concelhia e abrange as seguintes povoações: Cadraço, Carvalhinho, Caselho, Ceidão, Guardão de Cima, Guardão de Baixo, Janardo, Jueus, Laceiras, Caramulo, Pedrógão.


A antiguidade da povoação, anterior à fundação da Nacionalidade Portuguesa, é comprovada pelo Castro de São Bartolomeu, situado num cabeço a 631 metros de altitude, onde se encontram inúmeros vestígios de outras épocas, como cerâmicas ou moedas medievais, cuja origem se desconhece, mas que facilmente se poderá ligar à existência de uma feira na região, desde o período de formação de Portugal.


Pensa-se que Guardão constituiria um dos extremos da "civitas" romana. Na Capela de São Bartolomeu, há uma inscrição que é um término augustal:IMP(eratore).CAESAR(e).DIVIF[ilio]/XIII(décimatertia)TRIB(unitia).POTEST[ATE]/AVGVST(o).INTER/[AN]IE(n)SES.Q(uintus).ARTICLEI[VS]/5[C]AVSA.COGNI[TA] — Pelo Imperador César Augusto, filho do divino, detentor do Poder Tribunício pela décima terceira vez. Os Iteranienses. Quinto Articuleio, por causa conhecida.

Chega-se até ao Castro pela estrada Tondela-Caramulo; após a segunda entrada para a povoação do Guardão de Baixo, seguir por um caminho à esquerda e depois sempre em frente até à capela.

Um outro vestígio da ocupação romana é um troço de via, com cerca de 3,50 metros de largura, que continua a ser uma rua da povoação e está classificado como Imóvel de Interesse Público.

Em 1207, a pedido de Egas Niger e outros povoadores, D. Sancho I concedeu, por cinquenta morabitinos, carta de foro e de povoação a Guardão, cujos limites eram semelhantes aos da actual freguesia: da Portela das Várzeas pelo Padrão da Messe ao Caramulo de Alcoba, daí ao Carvalhinho, onde está o canto entre o Figueiral e Janardo, até à Pedra do Bolo, donde por Misarela iria ter de novo ao Padrão da Messe.

Afirmava-se, no foral, que o mordomo do rei só podia intervir em três pleitos-furto, rouço e homicídio; o cargo de mordomo ou serviçal não seria obrigatório para os habitantes; estes não estavam obrigados a dar pousada ao rico homem e só teriam de ir a apelido ou chamada na presença do rei; os homens bons tinham jurisdição sobre as questões entre o fisco e os habitantes e nos demais litígios; o concelho estava autorizado a aplicar as leis e regulamentos locais, podendo os moradores alienar a sua herdade e o seu casal, desde que o novo possuidor pagasse o foro.

Das Inquirições de Afonso III, resulta que Randulfo Pelágio recebeu o Guardão em prestimónio de D. Sancho I e, posteriormente, D. Afonso II doou-o ao mestre Amberto. Após a morte do rei, Amberto declarou que a terra lhe tinha sido doada e, por isso, tinha legitimidade para vendê-la, o que veio a acontecer, a Ferdinandus Johannis, tenente de Besteiros, o qual povoou, em senhorio do rei, Caselho e Jueus.

Nos finais do século XIV, Guardão pertencia a João Fernandes Pacheco, mas, em virtude da sua adesão ao partido castelhano, as terras reverteram a favor da Coroa Portuguesa. D. João I doou-as, a 6 de Abril de 1398, a Gonçalo Lourenço de Gomide, bisavô do Vice-Rei da Índia, Afonso de Albuquerque.

Mas a 21 de Outubro de 1446, Gonçalo Lourenço e Enes Leitoa, sua esposa, venderam ao rei o Couto de Guardão “pelo preço de mil quinhentos dobras de ouro, com sua jurisdiçam, com todas as suas entradas e saydas e direitos e pertenças, foros e geiras e padroado da ygreja”.

Posteriormente, D. João I fez nova doação do Couto, agora a seu filho, o Infante D. Henrique, primeiro Duque de Viseu que, por sua vez, o cedeu por doação a Pedro Gonçalves Currutelo, escudeiro de sua casa e a sua mulher, D. Branca de Sousa. Passaram, depois, para os Castelo Branco, de Leiria. Até que integraram a vasta doação feita por D. João II, em 29 de Maio de 1489, a seu cunhado, duque de Beja e futuro rei de Portugal, D. Manuel I, que veio a atribuir novo foral, a 10 de Fevereiro de 1514.

Com a reforma administrativa de 1836, passou a integrar o concelho de Tondela.

Por força da Lei n.º 25/88, de 1 de Fevereiro a povoação de Caramulo foi elevada à categoria de vila.

 

Contacto:

Os campos marcados com * são necessários


Junta de Freguesia de Guardão

Junta de Freguesia de Guardão

Freguesia do concelho de Tondela e do distrito de Viseu, possui uma área de 18.700 km2, tendo como freguesias limítrofes Barreiro de Besteiros, Castelões, Mosteirinho, São João do Monte e Silvares, pertencentes ao mesmo concelho, Varzielas, do concelho de Oliveira de Frades e Alcofra, do concelho de Vouzela.


Enquadrada pela Serra do Caramulo, dista cerca de 20 km da sede concelhia e abrange as seguintes povoações: Cadraço, Carvalhinho, Caselho, Ceidão, Guardão de Cima, Guardão de Baixo, Janardo, Jueus, Laceiras, Caramulo, Pedrógão.

 

Site: www.visitcaramulo.org/Participe/O-Consorcio-Regiao-Caramulo/Junta-de-Freguesia-do-Guardao

Video relacionado

O Consórcio da Região Caramulo

Confraria do Cabrito e da Serra do Caramulo
Museu do Caramulo
Sportnatura Eventos
Câmara Municipal de Tondela
VisitCentro.com
Hotel do Caramulo
Sociedade do Caramulo, S.A.
Quinta de Cabriz
Solar de Vilar
Turismo do Centro
ACERT
Hotel Severino José
Junta de Freguesia do Guardão