Barro Negro de Molelos

 

Barro Negro de Molelos – Património Vivo

 

Localizada a 2,5 Km no sentido noroeste da sede de Concelho de Tondela, encontra-se a freguesia de Molelos. Desde épocas remotas, tem sido um importante centro produtor de artefactos de barro negro, tal como nos é revelado na necrópole de Paranho, com vasos do período da Idade do Bronze. As argilas de excelente plasticidade e as crescentes necessidades do mercado levaram ao desenvolvimento de uma importante actividade artesanal, tornando a freguesia de Molelos uma notável escola para muitas gerações.

 

As produções de barro de Molelos não vivem só por si, mas também pelo contexto de onde provêm e pela função que possam ter desempenhado. O barro negro de Molelos consagrou-se através da sua função utilitária no quotidiano das populações. Utilizadas para conservar os cereais, azeitona e azeite, para levar ao fogo e cozinhar alimentos, para armazenar líquidos como água e vinho, ou ainda para serem servidas à mesa, a louça preta manteve, ao longo dos tempos, o seu papel imprescindível na vida das populações.

 

Tradicionalmente a loiça era cozida em Soenga, processo de cozer cerâmica numa cova, pouco profunda, cavada no solo. Em Molelos, a cozedura de tipo redutor (através da obstrução completa do “forno” em fim de cozedura) origina uma louça completamente negra e parcialmente impermeabilizada.

 

O Projecto Museológico Terra de Besteiros, utilizando métodos e técnicas adequadas para recolher, classificar, conservar expor os objectos e as práticas ancestrais, pretende não só mostrá-los, como também explicá-los e interpretá-los. Os pólos museológicos a visitar (olarias, alpendres, lugares de cozedura), darão relevo a uma forma de arte tradicional que, embora ganhe novos contornos com o surgimento de uma comunidade oleira jovem, importa não esquecer quando toca às primeiras técnicas e formas utilizadas. Ilustrando todo o trabalho realizado pelo oleiro, as fases porque passava o barro, desde que era retirado da terra até se transformar numa peça, transportará as gerações vindouras para o imaginário dos gestos, do modo de vida, da história de ser oleiro, que se repetiu ao longo dos tempos. É a defesa e preservação do rico património concelhio.

 

Actualmente, uma nova geração de oleiros, criativos e determinados, implantou-se no mercado, procurando novas abordagens, com sofisticação de padrões estéticos, estilização de tipologias, com novos usos e conquista de territórios, com uma produção muito diversificada e em série. As instalações de trabalho surgem-nos racionalizadas, com métodos mecânicos, para melhor rendimento. Hoje, a olaria de Molelos marca presença pela inovação, e perfeição de acabamento. A veia criativa e artística é uma aposta no futuro. A inovação, a promoção do produto, a sua qualidade, são sinónimas de dinâmica, de planeamento da produção e de visão estratégica de mercado. Pelo vanguardismo das formas, das novas tendências e das arrojadas pesquisas, para além do negro, os barros de Molelos conquistaram um lugar privilegiado na promoção turística e cultural do Concelho de Tondela.

 

Câmara Municipal de Tondela

Câmara Municipal de Tondela

Percorrer o Concelho de Tondela, é verdadeiramente partir à descoberta da história nas suas mais belas vertentes, a arte, as paisagens e as gentes, pois em cada lugar existem marcas de outros tempos dignas de serem admiradas: imponentes solares com as suas belíssimas pedras de armas, igrejas, capelas, pontes e moinhos de água.
Do património arquitectónico com valor histórico no Município são de referenciar alguns conjuntos habitacionais dignos de registo, tanto pela sua imponência e dimensão, como pela história que lhes está associada e aos seus proprietários. De registo são também, os pelourinhos, marcos representativos da história local e da tradição política portuguesa definida nas cartas de foral.

Site: www.cm-tondela.pt

Galeria de imagens