Segunda, 17 Julho 2017 04:43

Opinião: Mudanças tenebrosas

Aires Antunes Diniz O Século XIX foi para os clericais e para aqueles que acreditavam na Igreja como sustentáculo da Monarquia, um tempo terrível e tormentoso. Por isso não admira que o Século XX começasse para eles como um tempo de esperança. Era o que acontecia também na Guarda e em Coimbra onde foi estudar Alberto Diniz da Fonseca que conta: “Quando eu fui para Coimbra, em Outubro de 1900, já andavam no ar rumores da tormenta que havia mais tarde de ensanguentar o país, pondo nas mãos do Buíça o bacamarte regicida e provocando em seguida a queda das instituições”.1 Era um tempo em que a ala mais tradicional da Igreja Católica foi fazendo com que internamente houvesse uma tomada de poder. Foi o que começou em Portugal pela colocação como Bispo da Guarda de Manuel Vieira de Matos em 1903 e pela elevação de Rafael Merry del Val a Secretário de Estado do Vaticano e a paulatina mudança da hierarquia católica, desaparecendo sucessivamente a linha liberal tal como era conhecida entre nós a representada pelo Bispo de Viseu Alves Martins. Não admira que até alguns semanários de Portugal, concretamente na Sertã, ridicularizem Rafael Merry del Val, explicando talvez por que o processo da sua canonização esteja parado. Talvez a razão seja como Ruy Pires escreveu a propósito de Pio X: “Pois da pena, ou da boca de Leão XIII nunca saiu coisa que pudesse dar visos de razão a incompreensível determinação ginófoba do atual pontífice e que, a ser certa, como o ouvi dizer, viria a constituir um libelo formidável contra a mulher, afrontando-a com injustas suspeições ou magoando-a no seu brio, na sua dignidade, na sua honestidade”.2 Tal como agora acontece com o populismo que aflige o mundo democrático, também gente bem-intencionada tudo fez para salvar almas. Foi então que um movimento com uns poucos jovens foi crescendo e transformou um país anticlerical num povo de gente beata. Também as mulheres que em 1911 tentavam construir a sua autonomia social e política, livre da tutela sufocante de homens, foram primeiro traídas pela República e mais tarde sufocadas pelo Estado Novo. Toda esta evolução tinha sustentação nas ideias de uma Igreja Católica, que procurava condicionar a seu favor a transformação das ideias políticas e com estas os direitos de Homens e Mulheres, tudo fazendo para que houvesse uma Concordata, onde o divórcio era interdito. E, assim, só quando a Igreja Católica mudou a sua postura perante o Estado Novo também a democratização se desenvolveu, notando-se a mudança de muitos homens e mulheres para as fileiras democráticas. Agora sob a liderança do Papa Francisco tudo parece mudar também. E como explicar isso vai ser o que vou tentar fazer nos próximos dias. 1 Alberto Dinis da Fonseca – A Pré-História do C.A.D.C. 1901-1905, Outeiro de S. Miguel, 1951, p. 7. 2 Voz do Povo, 6 de Agosto de 1911, ano 1, n.º 36, p. 2, colunas 1 e 2.

Ler Mais - Artigo Original

O Consórcio da Região Caramulo

VisitCentro.com
Hotel do Caramulo
Hotel Severino José
Museu do Caramulo
Turismo do Centro
Solar de Vilar
Junta de Freguesia do Guardão
Sportnatura Eventos
ACERT
Confraria do Cabrito e da Serra do Caramulo
Câmara Municipal de Tondela
Quinta de Cabriz
Sociedade do Caramulo, S.A.